Persona 5 Royal - Jogue sua máscara fora

Os Phantom Thieves estão de volta melhores do que nunca na versão definitiva de Persona 5!


  Como começar a falar do jogo que mais marcou minha vida? Persona 5 Royal trouxe diversos ensinamentos e críticas que vou levar pra minha vida, e que fazem dele o meu jogo preferido, porém, vou tentar deixar toda a minha emoção de lado e fazer uma crítica fria e SEM SPOILERS. Assim, já começo afirmando que Persona 5 Royal consegue fazer um jogo que já era muito bom ficar ainda melhor, e é melhor que o original em literalmente tudo.

  Persona 5 Royal é a versão definitiva de Persona 5, um JRPG que foi lançado em 2017, trazendo um novo arco com cerca de 20 horas, novos personagens, novas localidades, mecânicas novas e modificadas, exploração e level design melhorados e muitas outras mudanças e adições que fazem o jogo ficar ainda melhor e mais divertido, é um ótimo exemplo de como melhorar e ampliar um jogo já magnífico sem deixar mais cansativo ou trazer mais defeitos. Foram mais de 130 horas de uma aventura carismática pelo Japão e pelo Metaverso que simplesmente não enjoava e me deixou maravilhado.

Gameplay e Mecânicas

  A maior parte das mudanças do Royal ficam na parte da gameplay e exploração, coisas que no geral já eram muito boas no original, mas que agora ficaram ainda melhores, e com adições ou mudanças que agregam tanto ao jogo que é difícil de ver ele funcionando sem elas.

  Persona 5 tinha um dungeon crawling mediano por parte dos palaces, no Royal essa parte foi bem melhorada, as will seeds incentivam a exploração, e o gancho ajuda bastante para melhorá-la, além de melhorias em level design, com mais atalhos e rotas simplificadas, fazendo o jogo ter dungeon melhores e mais dinâmicas e acompanhadas de ótimas músicas.  Os palaces também acertam bastante nos puzzles, tem muitos que são bem divertidos e complexos (principalmente no novo palace), e muitos que foram bem melhorados em relação ao original. Além disso, Royal também traz um novo palace, que é sem dúvidas o melhor, atinge um novo nível em questão de level design, tem uma ótima música, a melhor bossfight do jogo e os melhores puzzles. A parte que é com certeza o pior em dungeon crawling do jogo é o Mementos, é basicamente uma dungeon procedural composta por vários corredores lineares sem conexão (algo derivado da franquia, bem parecido com a Tartarus do Persona 3 por exemplo), o que é bem fraco se comparado com o resto do jogo, Royal traz diversas  melhorias pro Mementos, como o novo NPC, Jose, que além de ser bem carismático, incentiva a busca por Estampas e Flores ao longo dos andares, que podem trazer recompensas como aumento de XP, dinheiro ou itens no Mementos, ou itens de recuperação ou will seeds deixadas pra trás nos palaces, porém, mesmo estando melhor, ainda está longe de ser bom.

  O combate de turno de Persona 5 já era maravilhoso, Royal faz ainda melhor, com adições e mudanças tão boas que fica difícil ver o jogo sem elas, trazendo mais equilíbrio, estratégias e estilo. O combate do jogo faz a combinação perfeita de uma direção de arte impecável, ótimas mecânicas de turno e uma trilha sonora magnífica, tornando ele extremamente prazeroso e estratégico. E ainda com as adições e mudanças do Royal, tendo as armas desempenhando um papel mais importante, a Futaba tendo mais participação na batalha, novas habilidades de confidants bem úteis, os showtime attacks (ver os personagens realizando um ataque exagerado e lindo em conjunto é simplesmente perfeito), shadows explosivas... um combate que já era quase perfeito fica ainda melhor, fazendo Persona 5 Royal garantir seu posto como o melhor combate de turno já feito.


  Outra parte que Persona 5 Royal acerta bastante é em criação de builds. Caso você queira, pode apenas pegar os Personas por negociação e fundir na medida do necessário, ou se quiser pode aproveitar mais dos recursos da velvet room e focar em criação de builds, não existe uma maneira correta de se jogar o jogo, você pode jogar da forma que se sentir confortável, e o jogo oferece muitos recursos e praticidade pra qualquer caminho que você escolher. Partindo para o caminho das builds, o original já possuía diversas builds e uma grande variedade de habilidades e personas, o Royal se aprofunda mais nisso, adicionando as traits, que são basicamente uma habilidade passiva especial para um persona e que expandem ainda mais as possibilidades de builds, e com uma maior facilidade e praticidade de criação de builds. Além disso, agora existem os alertas de fusão e os acidentes, que adicionam animações bem divertidas (as twin wardens usando uma motoserra pra cortar a cabeça do meu persona é inesquecível) e criam um sentimento de risco e recompensa para os recursos da velvet room, deixando tudo muito mais dinâmico.

Parte Social

  Agora partindo para, com certeza, a minha parte preferida do jogo. Persona 5 já tinha diversas atividades sociais e relacionamentos com personagens para serem aprofundados, Royal consegue melhorar ainda mais nesse aspecto. Com a adição de novas áreas (como um aquário, Kichijoji, etc), novas atividades e novos personagens, a Atlus conseguiu fazer um simulador social ainda melhor e mais dinâmico, com mais críticas, ensinamentos e lições enquanto você acompanha um cast de personagens super carismáticos e bem escritos.

  O sistema de confidants de Persona é muito bom, "missões" divertidas que aprofundam sua relação com um personagem específico, geralmente trazendo uma mensagem, crítica ou desenvolvimento no final, muitas delas tratando de temas atuais e importantes. A adição do Royal nesse aspecto é pequena, mas boa, uma ligação após subir um nível no social link, aprofundando e confirmando mais ainda a relação entre você e o personagem em questão. Porém, nem tudo é perfeito, apesar de vários confidants muito bons, com ótima mensagem ou desenvolvimento, Persona 5 Royal ainda apresenta, assim como o original, muitos confidants bem fracos, desinteressantes ou sem carisma. Os novos confidants adicionados no royal são todos muito bons, o Akechi recebeu um confidant manual e é muito melhor aproveitado e tem um desenvolvimento bem mais interessante em relação ao original, dentre os personagens novos, Kasumi Yoshizawa tem uma ótima mensagem, acompanhado de um desenvolvimento muito bom, e Takuto Maruki tem um dos melhores plots do jogo e é muito carismático. Além disso, o jogo também apresenta ótimos diálogos, sendo bem escritos, divertidos e sérios nas horas certas, sendo acompanhados por uma direção de arte muito boa, fazendo eles mais chamativos.


  Persona 5 Royal também apresenta uma grande variedade de atividades sociais bem divertidas, variadas e que dão várias recompensas diferentes, você pode jogar baseball, pescar, ir a um planetário com um amigo, ir para um maid café, treinar na academia, dentre outras atividades. Além das novas áreas adicionadas no Royal, como Kichijoji, que te dá a possibilidade de jogar dardos ou sinuca com os phantom thieves, ir a um clube de jazz com algum membro de equipe ou até meditar em um templo. Com cada uma dessas atividades trazendo recompensas que podem criar muitas novas estratégias de batalha (como aumentar o nível do baton pass jogando dardos). Com essas atividades, Persona 5 Royal se eleva ainda mais como um social simulator, e faz cada hora passada pelo Japão muito satisfatória e prazerosa.

História e Roteiro

  A história e roteiro tanto do Persona 5 original quanto do Royal não são perfeitas, tem problemas, mas também tem muitas coisas boas, sendo, no geral, muito bom. Já nas mudanças (que são poucas e só são mais relevantes no final do jogo) e adições do Royal, dá pra perceber mais alguns pequenos defeitos, mas muitos pontos positivos, sendo, no geral, muito melhor que a do Persona 5 base.

  A história do jogo base se consiste em mudar o coração de pessoas distorcidas através de um mundo cognitivo, chamado Metaverso, quando os desejos distorcidos de alguém são muito fortes, eles se separam do Mementos (que representa a forma que a massa vê o mundo) e viram os palaces, que são as principais dungeons que você se infiltra ao longo da história do jogo, aproximando o jogo de uma temática psicológica, e retratando muitas críticas através dessas distorções, como utopia, assédio, depressão e corrupção. Em Persona 5 Royal, o jogo trás um novo arco, com um novo palace, tendo o melhor vilão do jogo, uma ideia muito interessante, e sendo construído desde o começo do jogo de forma orgânica, resultando em um clímax perfeito, fechando o jogo muito bem. Porém a história também tem alguns defeitos, vilões no geral não muito bons (o que mais se destaca é o novo), entre eles dois que são péssimos (Okumura e Kaneshiro); o arco do 5º palace é bem ruim e mal feito, apesar de terem melhorado a dungeon, que no original também era terrível, o arco em si continua ruim; Haru que até faz parte dos phantom thieves tem pouco carisma e tempo de tela, além de ser mal escrita, entre outros problemas.


  O roteiro do jogo, ao mesmo tempo que tem muitos pontos positivos, também tem problemas e coisas que deveriam ter sido evitadas. Em alguns momentos do jogo temos ótimas sacadas de roteiro, que até podem te impressionar de tão bem feitas, em outros temos fanservices que deveriam ser evitados e, apesar de não serem furos, por ter uma justificativa até que plausível, poderiam ser muito melhor e dariam um ponto a mais a favor do roteiro do jogo. O novo arco de Royal traz um ótimo e bem roteirizado plot que vai impressionar muitas pessoas, sendo algo que já estava desde o começo do jogo sendo moldado, com conexões que favorecem o roteiro e tornam tudo ainda melhor como fechamento para o jogo.

Veredito

  Persona 5 Royal é um dos melhores JRPGs já feitos, tem uma ótima proposta sobre psicologia, ireção de arte impecável, trilha sonora de tirar o fôlego, melhor combate de turno já feito, muitas críticas e mensagens passadas de forma muito boa e tratando de temas atuais, muitas atividades sociais para se fazer sozinho ou acompanhado de amigos, personagens em sua maioria muito bem escritos e carismáticos, traz um novo arco e palace que é muito bem feito, é melhor que o original, que já era muito bom, em todos os aspectos, tem um dungeon crawling muito bom, ótimas bossfights, possibilidades inacabáveis de builds, muitas formas de se jogar, te deixando comfortável em qualquer que você escolha, novo arco muito bom e interessante, etc. O jogo tem problemas, vilões ruins, personagens mal feitos, arcos ruins, fanservices desnecessários, mas consegue compensar isso com o resto, fazendo do jogo uma masterpiece.

NOTA:


          MASTERPIECE













Pontos positivos:

 - Melhor que o original em todos os aspectos.

 - Palaces(Dungeons) com ótimos puzzles e level design.


 - Trilha sonora quase perfeita, com músicas que expandem sua experiência e que com a letra e ritmo funcionam muito bem com a situação.


 - Ótima direção de arte, um dos jogos mais estilosos que existe.


 - Personagens, em sua maioria, bem carismáticos, aprofundados e desenvolvidos.


 - Melhor combate de turno já feito, variado, prático, prazeroso, mecanicamente muito bom, estiloso...


 - Um ótimo jogo de simulação social, muitas atividades sociais, trabalha bem com o planejamento de tempo...


 - Trabalha com muitas críticas(como utopia, assédio, depressão, abuso, corrupção, etc.) de forma respeitosa e natural.


 - Ótimos diálogos, cheios de carisma, divertidos ou sérios nas horas certas, chamativos(por causa da direção de arte)...


 - Adições, alterações e correções que agregam muito ao jogo, implementadas de forma orgânica e que tornam uma ótima experiência pra quem jogou ou não o original.


 - Sacadas de roteiro muito boas.


 - Forma que trata a psicologia e correlaciona ela com o mundo e a trama do jogo.


 - Ótimas bossfights.


 - Plot do novo arco sendo conduzido e construído desde o início do jogo de forma orgânica, resultando em um clímax perfeito.


 - Alguns fanservices bem feitos.


 - Novo vilão e sua bossfight são muito bons.


 - Mementos está bem melhor que o original com a adição do novo NPC(Jose) e as deviations.


 - Muitas possibilidades de builds, e os alertas de fusão dão um sentimento de risco e recompensa que deixa ainda mais dinâmico.



Pontos negativos:

 - Ao mesmo tempo que tem fanservices bem feitos, também tem alguns desnecessários.


 - Okumura e Kaneshiro são vilões fracos, e poucos vilões realmente se destacam como personagens.

 - Alguns personagens fracos, com confidants desinteressantes, pouco carismáticos ou com desenvolvimento ruim.
 - Arco do 5º palace por inteiro, mal feito.



 - Mesmo estando melhor, Mementos continua sendo bem mediano, repetitivo, com level design fraco e pouco intuitivo(por ser procedural).


 - Apesar de muitos pontos positivos de roteiro, ele também falha em alguns pontos.
 

Postar um comentário

1 Comentários

  1. Essa foi uma boa discrição do que é de fato Persona 5 Royal, eu nunca joguei nenhum jogo da franquia, mas devo dizer que fiquei impressionado como esse jogo marcou demais a vida muitas, em especial, você, meus parabéns pela critica bem feita, tu realmente leva jeito pra coisa.

    ResponderExcluir